Pular para o conteúdo principal

A bandeira de Maceió e o brasão de armas



 Criado por Théo Brandão em 1957 A bandeira de Maceió e o brasão de armas, Dividida e m três faixas horizontais de igual largura na seguinte sequência, a partir de cima: verde, branco e azul. A faixa branca busca representar a restinga característica da orla de Maceió, com suas areias brancas. A divisa ondulada na cor vermelha, simbolizando o Riacho Salgadinho, que corta grande parte da cidade, que possui um aspecto barrento resultante do transporte de aluviões de suas margens. As faixas nas cores verde e azul aludem ao Oceano Atlântico e à Lagoa Mundaú, respectivamente. No centro há um disco branco contendo o brasão de armas do município,  português terciado em faixa, de sinopla, argente e blau. No 1º e no 3º uma jangada de argente e no 2º uma faixa ondulada de goles. Sobre ele, coroa mural de cinco torres visíveis (sendo oito no total) de ouro, indicando capital de estado. No topo da torre central, um pequeno escudete de argente carregado de um barrete frígio de goles. Como suportes, duas folhas de coqueiro, em aspas, de sinopla. Brocante, em listel de blau, a palavra MACEIÓ, em argente.

 Prof André Cabral

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.,com modificações 

Comentários

  1. ... A palavra MACEIÓ, em argente.( aqui na bandeira que tenho está em negro).

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A Emancipação política de Alagoas

Do início do século XIX até meados de 1850, o Brasil passou por uma fase de intranquilidade política, reflexo de acontecimentos europeus como a era napoleônico, a preponderância do capital inglês e os atropelos naturais resultantes de suas sucessivas mudanças de status: colônia e império  Em Alagoas essa efervescência se traduz em começar o século como comarca com sede administrativa em Santa Maria Madalena de Alagoas do Sul e chegar a 1832 como províncias independentes com capital em Maceió. A história inicial de Alagoas é inseparável da de Pernambuco, sendo seus primeiros núcleos de povoa­mento formados a partir de engenhos de açúcar. A princípio foi efetuada a luta com os indígenas, em que bandeirantes e fidalgos que receberam doações de sesmarias auxiliaram o donatário de Pernambuco. A compra de Alagoas foi criada em 10 de outubro de 1710 sob a jurisdição da capitania de Pernambuco com todo o aparato administrativo acompanhante: juí­zes ordinários, camaristas e capitão-mor, tend…

Companhia de fiação e tecidos norte de Alagoas

Quando observamos a bandeira de   Alagoas e seus símbolos,  Os ramalhetes verdes do brasão inserido na bandeira representam outras principais fontes de riquezas do estado: as culturas do coqueiro, o algodão e cana-de-açúcar. 
Segundo Douglas Apratto
 (O livro O Ciclo do Algodão e as Vilas Operárias o ciclo do algodão) e o boom das indústrias têxteis teve tanta importância quanto a cultura açucareira aqui em Alagoas Qual o impacto e a importância da cultura do algodão na história econômica do  Estado




Segundo os dados do Instituto Nacional de Geografia e Estatística (IBGE), nas doze fábricas alagoanas existiam 10.514 operários têxteis em 1950. Essa quantidade manteve-se estável até o início dos anos 1960.

A fábrica companhia de fiação e tecidos norte de Alagoas, fundada 1906, que hoje não funciona mais fica às margens do rio Saúde no Barrio de Ipioca funcionando até 1983, tinha aproximadamente 700 operários


A fabrica era da família Nogueira , o proprietariado era Aluísio Nogueira, segundo o…

O PRIMEIRO GOVERNADOR DE ALAGOAS

O Eficiente Melo e Povoas e o Nativismo Crescente
Quando Sebastião Francisco Meio e Póvoas desembarcou em Jaraguá, dois dias depois do Natal de 1818, para governar a nova Alagoas, devia passar pelo seu espírito como manter o domínio português na área cuidando de controlar o nativismo de 1817. Pelos fatos que se seguiram desde que assumiu o governo em 22 de janeiro seguinte, até sua exoneração em janeiro de 1822, ele tudo fez para isso. Prognosticava que o domínio português seria ainda por alguns anos, quiçá décadas, porque rea­lizou uma obra administrativa e material de invulgar dimensão, construindo prédios públicos e forti­ficações, organizando unidades militares e a admi­nistração da Província, abrindo estradas, fazendo um plano ambicioso de urbanização de Maceió, mandando construir aqui uma corveta. Compreendendo o momento histórico, decidiu não residir em Alagoas capital, fixando residência em Maceió onde estava o movimento econômico e maiores perspectivas de realizar sua obra …