domingo, 23 de novembro de 2014

Os bondes de Maceió Antigo

Conforme o pesquisador estadunidense Allen Morrison, Maceió foi à terceira cidade Brasileira a adquirir bondes a vapor, depois das cidades do Rio de Janeiro e Recife, a linha do bonde ia de Jaraguá a Bebedouro, com 10 km de comprimento abriu em 25 de março de 1868, O sistema foi instalado pela empresa nova-iorquina Thomsen & Com. em associação com o agente brasileiro do General Electric, Eduardo Guinle, usando equipamento da empresa Brill de Philadelphia: dez veículos-padrão, duas gôndolas motorizadas e um carro funeral em 1913, mais seis carros de passageiros em 1918.
Depois o sistema bondes foi adquirido em 1928 pelo empresário de cotonicultura Gustavo Paiva, em seguida a operação do sistema passou à empresa estadunidense Electric Bond & Share. Sua subsidiária Companhia Força e Luz Nordeste do Brasil operaram os bondes de Maceió por 25 anos, o sistema foi extinto em torno de 1956.
Observamos os relatos de como era o cotidiano dos bondes em Maceió através das crônicas de Floriano Ivo: (...) “Crônicas e Depoimentos”, descreve: “Veremos o bonde das doze com a estudantada do Lyceu, do São José e do Diocesano, turminhas de mancebos, geralmente no reboque, grupinhos de lindas mocinhas - hoje elegantes senhoras da sociedade – ali na frente, bancos uns virados para os outros, falando como periquitos irrequietos, mudando de lugar, levantando umas, sentando-se outras o tempo todo em cochichos e sorrisos, flertando mais do que a namorar”. Existiam também os bondes de segunda classe, com bancos laterais e espaço central, mais feios e no entanto mais engraçados, com suas lotações completas da criadagem, trapicheiros, estafetas da Western, raparigas da vida, vendedores ambulantes e suas mercadorias: pato, galinha, peru, peixe, embrulhos disformes com carne de porco, ganchos com toucinho pendurado, rolos de fumo ... E por isso: Lá vai a gaiola da CATU! Diziam.
Se compararmos hoje os meios de transporte de Maceió, notamos que alguns comportamentos ainda são comuns como Vendedores ambulantes e suas mercadorias e pessoas que transportam peixe, embrulhos que circulam  nos atuais ônibus, com sistemas de GPS, Câmeras , só um aspectos que não teve no passado os arrastões a assaltos, hoje  se transformando em cotidiano


Ponte do Fonseca 

Praça Visconde de Sinimbu,ficava a estação dos bondes(hoje espaço cultural da UFAL)



















André Cabral-História de Alagoas

Nenhum comentário:

Postar um comentário